sexta-feira, 20 de junho de 2008

Teoria do Status – ou Teoria da Igualha –

Há uns 15 anos que penso na razão por que duas pessoas se atraem. Por que o gênio da física se casa com a mocinha da roça ou como o rapaz pobre consegue casar com a beldade endinheirada? Qual é a regra que rege a atratividade humana?
Em todo esse tempo, o mais próximo que consegui chegar de uma resposta é o que chamei de Teoria do Status, ou Teoria da Igualha, que quero aqui compartilhar com meus leitores.
Igualha é um termo do português do século XVIII que significava uma paridade (financeira) entre o noivo e a noiva que deveria existir para que os pais passassem a negociar o casamento dos filhos.
O mundo mudou. Os casamentos não são mais arranjados, mas a igualha não deixou de existir. O que seria ela hoje? O que define o valor de um indivíduo?
Existem três valores que definem o “statu quo” de uma pessoa, o seu potencial monetário, o seu potencial cultural e o seu potencial sexual. Os três são importantes no momento de se apresentar em sociedade.
O potencial monetário se apresenta na forma como se gasta. Quem gasta mais tem mais status financeiro.
O potencial cultural se apresenta na forma de sucesso. Quem faz mais sucesso, tem mais status cultural.
O potencial sexual se apresenta na forma de atratividade sexual, o que dispensa qualquer comentário.
Até aí, morreu o Neves, pois todo mundo sabe que ter grana, sucesso e atratividade (charme, beleza, papo, etc.) são fatores importantes para conseguir parceiros de negócios e de relacionamentos mais interessantes.
Acontece que cada valor de status é “modulado” por um respectivo contraponto.
O potencial monetário, é o que se gasta, mas também é importante considerar o que se tem para gastar. Não adianta ser um traficante de drogas com carros e dinheiro à vontade para esnobar, se não houver um lastro por trás. Um homem rico, com fortuna sólida, de família, é de alguma forma mais rico do que aquele que apenas tem o dinheiro para aquele momento. O nível econômico, portanto “modula” o nível financeiro. Para se ter mais status, é preciso não só mostrar-se rico, como também ser rico.
O contrário também é verdade. Não adianta ser um “Tio Patinhas” milionário, se não se mostrar o dinheiro que tem com carros de luxo e mansões.
O contraponto do potencial de sucesso é o grau de erudição. Aquele mais evoluído em um nível cultural é aquele que não só consegue obter excelentes resultados naquilo que faz, mas também consegue ter um nível profundo de conhecimentos. Não adianta ser uma modelo de sucesso se ao ganhar um programa de televisão se começa a falar bobagens, erros de português, etc. Assim como o grau econômico corrói o potencial financeiro do indivíduo, o nível de erudição reduz o brilho de pessoas bem sucedidas.
O terceiro fator, mais complicado de explanar, é o valor da sexualidade. O que “modula” a atratividade sexual é o caráter íncubo-súcubo do indivíduo.
Essas palavras podem ser compreendidas por incubo, “aquele que está em cima”, sexualmente falando, e súcubo, “aquele que está em baixo”.
Estar por baixo representa sempre inferioridade: pisar numa caça ou num novo planeta significa dominar. Humildade vem da palavra terra, húmus. Estar por cima, representa poder e conquista. Quem está mais por baixo sexualmente é o súcubo e quem está por cima, o incubo.
Por esse motivo, uma prostituta é mal vista na sociedade, enquanto que uma moça virgem tem maior status – a prostituta é mais súcubo -. A sociedade discrimina homossexuais não é por simples cultura, mas por um valor arquetípico do ser humano: o homossexual, principalmente o passivo e, mais principalmente ainda, o que se prostitui são mais súcubos.
No momento que escrevo, ocorreram dois casos notórios com personalidades brasileiras. O jogador de futebol Ronaldo se envolveu com travestis e a modelo Daniela Cicarelli foi filmada em uma praia fazendo sexo com o namorado. Vistos por esta teoria, o que aconteceu com eles aos olhos da sociedade e da mídia? Tornaram-se súcubos, ou seja, decaíram sexualmente. Com isso perderam contratos de publicidade, pois várias empresas deixaram de investir neles.
Portanto, para o “statu quo” sexual não interessa apenas a atratividade do indivíduo, mas também o quanto incubo ele é, quanto mais estiver “por cima” no ato sexual, melhor.

Tudo o que foi descrito acima, pode ser mais bem compreendido pela análise do gráfico em que cada linha representa um potencial humano: sexual, monetário e cultural. O que interessa de forma positiva ao indivíduo é o potencial financeiro, o potencial de sucesso e potencial de atratividade, mas como podemos perceber, a baixa economia, a baixa erudição e a “sucumbência” contam pontos negativos, destruindo ou danificando todo o potencial pessoal.
Como cada pessoa tem um determinado “número” financeiro, outro de sucesso e outro de atratividade, se descontarmos os “moduladores” econômico, erudição e de sucumbência sexual encontraremos um determinado valor gráfico, o qual chamei de Volume de Statu Quo, por se apresentar como um verdadeiro volume geométrico, um prisma. Este prisma representa o valor de igualha do indivíduo, quanto maior for o Volume de Statu Quo, maiores serão as chances de ele se relacionar com pessoas de volumes também maiores.

Essa é a resposta porque um velho rico casa-se com uma jovem bonita. O que não acontece é de uma mulher jovem, virgem, bonita, rica, de sucesso e instruída se casar com um pobre, inculto e feio, pois os volumes de statu quo seriam muito diferentes.
Dá para entender?
Volumes similares se atraem, simples assim. As pessoas só se relacionam com pessoas da mesma igualha, mesmo que aparentemente o amor e a amizade se manifestem de formas tão diferentes. As diferenças estão em um ou dois aspectos, mas no somatório volumétrico, os relacionamentos sempre se completam.

Um comentário:

Felipe Køs disse...

Olá Luiz,

Estou fazendo um trabalho de faculdade, sobre Status e Design e estou linkando o seu blog.

Assim que tiver um endereço definido eu mandarei novamente à você.

Att,

Felipe Køs.

[ http://portfoliofekos.wordpress.com ]