terça-feira, 7 de outubro de 2008

Aí vem golpe?

Esses dias recebi um e-mail sobre as perseguições aos jornalistas no Brasil. Ora, silenciaram o Bóris Casoy, depois o Diogo Mainardi, depois o Jabor... A conclusão do e-mail: logo começarão a censura prévia, as perseguições políticas e os desaparecimentos!
Em primeiro lugar, sempre falo aqui no blog que não existe liberdade de expressão no Brasil, pois não se pode chutar santa na TV, nem mostrar dedo para policial, nem fazer música falando de maconha, nem publicar biografia não-autorizada, nem publicação no Orkut se dizendo racista, por aqui, benção Millôr, livre-pensar é só pensar, sem sombra de dúvida. Alguns leitores devem até estar pensando, que em todo o mundo é assim...não é, posso garantir. Bater-boca com um funcionário público não irá com certeza comprometer a democracia, mas é difícil convencer as pessoas disso.
Sou também fã de todos esses jornalistas citados, gosto muito de os ler, acredito que são muito corajosos e colocam questões pertinentes.
Agora vem o porém: uma coisa é dizer que existe um fato, outro é chegar às conclusões sobre este fato, isso não é a função da imprensa e é por isso que jornalistas são normalmente silenciados pela justiça. O maior exemplo é o daquela escola em que os diretores foram acusados de pedofilia, a escola foi destruída, a moral dos professores jogada no esgoto e pouco tempo depois foi provado o enorme engano.
Uma coisa é informar que alguém carrega dólares na cueca, outra é julgar e condenar antecipadamente. Por mais que todas as evidências apontem para corrupção, a conclusão pertence ao Poder Judiciário, não a um Quarto Poder que muitas vezes tenta tomar ares oniscientes. Vemos escândalos e dossiês sendo publicados pela imprensa todos os dias sem que ninguém seja processado, mas acusações “ad hominem” e julgamentos antecipados não estão no rol das características de um verdadeiro livre-pensar. Jornalistas sabem muito bem essa regra e que em qualquer lugar do mundo é um tanto quanto perigoso ser boca-grande.

Muito bem, e a Ditadura do Proletariado, está ou não está vindo?
Ora, o Brasil está com finanças saneadas, sob um pensamento único (estúpido, mas único), sem qualquer oposição, o presidente está com 80% de aprovação e fronteiras perfeitamente limitadas. Ditadura prá quê? De onde é que tiraram essa idéia? Regimes fortes servem para esmagar oposições, mas onde estão elas?
Uma coisa que as pessoas não entendem é que o valor maior para a nossa sociedade é a manutenção da burocracia e do Estado-Monstro, pois a nossa elite é formada pelos servidores públicos. Se uma bomba for lançada na praça central de uma cidade, o Código Penal prevê de 2 a 6 anos de cadeia, mas Peculato, meter a mão no dinheiro público, dá até 12 anos. Por aqui, os crimes contra a ordem burocrática do Estado e contra a arrecadação pública são muito mais graves até mesmo do que crimes contra a vida!
É só ver a nossa história: a Inconfidência Mineira aconteceu porque Portugal cobrava a “Quinta”, ou seja, 20% de tributos. A primeira atitude de David Canabarro quando invadiu Laguna na Guerra dos Farrapos, foi acabar com o imposto extorsivo do charque. Um dos motivos da Guerra do Contestado foi o de que Paraná e Santa Catarina deixaram abandonada uma uma região rica em erva-mate e pinheiros que disputavam entre si com a finalidade de dominar e extorquir mais impostos. A Revolução Federalista se deu porque os estados do sul não queriam mandar tributos para o Governo Federal. Nós tivemos a única ditadura militar de direita do mundo que aumentou o tamanho do estado ao invés de diminuir, criando e ampliando um enorme número de estatais. Enfim, a nossa história é a história da extorsão do poder público sobre a iniciativa privada e isso jamais mudará. Nosso governo atual não contesta essa verdade, portanto não precisa se preocupar com oposição.
Pergunto: esse valor, o da injustiça na existência de um Estado gigantesco e extorsivo está sendo contestado? Algum político defende por acaso a redução de impostos e diminuição de secretarias, autarquias e empresas públicas? Ora, se não há oposição à essência do Poder Público, por qual motivo haveria de existir uma ditadura?
E como somos um povo de índole bovina que não esboça qualquer reação, os 90% que produzem riqueza no país vão continuar trabalhando para os 10% que controlam o poder estatal.
Simples assim.

Um comentário:

C. Mouro disse...

Estou aplaudindo de pé e assoviando:

"E como somos um povo de índole bovina que não esboça qualquer reação, os 90% que produzem riqueza no país vão continuar trabalhando para os 10% que controlam o poder estatal.
Simples assim."

PERFEITO! ABSOLUTAMENTE PERFEITO!

Abraços
C. Mouro